Dicas de música: Ochi chyornye e Kale Iaca

Ochi chyornye (ou “olhos negros”) é considerada como uma das músicas ucranianas mais famosas  até hoje. Mas ela também é apontada como russa por alguns, além de ser muito difundida pela cultura cigana.

danca Cigana com pandeiro (15)A primeira publicação foi feita em 1843 pelo poeta ucraniano Yevhen Hrebinka. Já a melodia, dizem que foi baseada na Valse Hommag, do alemão Florian Hermann, sem, no entanto, haver qualquer registro da música original. A versão mais conhecida foi publicada na Rússia, em 1910, por Adalgiso Ferraris, músico anglo-italiano. Depois disso, diversas versões foram feitas em muitos idiomas com adaptações da letra (inclusive no russo), como em inglês, por Al Bowlly (Dark eyes – 1939) e até uma versão em romani feita pelo cigano brasileiro Allex Flores (Kale Iaka). Há também versões instrumentais, como a do cigano francês Django Reinhardt (Les yeux noir – 1940), pai do Jazz Manouche. Já a versão de Louis Armstrong (Otchi-Tchor-Ni-Ya – 1954), um dos mais importantes musicistas da história do jazz, foi cantada em inglês e russo de New Orleans rs. E há ainda uma versão feita pelos Três Tenores – Plácido Domingo, José Carreras e Luciano Pavarotti, além da canção ter aparecido em filmes e episódios de séries. Parece que a música agrada a todo mundo rs.

ciganaOs registros que existem nos dizem que se trata de uma música de cabaré sobre um romance cigano. Com um ritmo que cresce como se fosse uma paixão, há também momentos mais calmos, como se demonstrasse um certo arrependimento do cantor. E o poema fala de misteriosos olhos negros que encantam o poeta.

Brigitte Angel

 

Ochi chyornye
(versão original em russo)

Ochi chornyye, ochi strastnyye,
Ochi zhguchiye i prekrasnyye!
Kak lyublyu ya vas, kak boyus’ ya vas!
Znat’ uvidel vas ya v nedobryi chas!

Okh nedarom vy glubiny temnei!
Vizhu traur v vas po dushe moyei,
Vizhu plamya v vas ya pobednoye:
Sozhzheno na nyom serdtse bednoye.

No ne grusten ya, ne pechalen ya,
Uteshitel’na mne sud’ba moya:
Vsyo chto luchshevo v zhizni Bog dal nam,
V zhertvu otdal ya ognevym glazam!

Olhos negros
(tradução livre)

Olhos negros, olhos apaixonados
Flamejantes e belos olhos!
Como eu os amo e como eu sinto medo
Parece que eu os conheci numa hora desfortunada!

Oh, não à toa você é mais escuro
que o profundo!
Eu vejo luto por minha alma em você
Eu vejo uma chama triunfante em você:
Um pobre coração imolado

Mas eu não estou triste, eu não estou infeliz
Meu destino é reconfortante para mim:
Tudo o que há de melhor na vida que Deus nos deu,
Em sacrifício, eu retornei para os olhos ardentes!

Dica de música: Tu mai Le

Antes de criar a banda então chamada “Mio Vacite e o Encanto Cigano”, em 1990, o cigano Mio Vacite já era conhecido no meio. Em 1986 ele havia sido convidado com seu grupo musical para tocar no lançamento do livro “O Povo Cigano” de Cristina da Costa Pereira, no Rio de Janeiro. Após o lançamento do livro, Vacite também participou de outros eventos, como um encontro de descendentes ciganos no ano seguinte, e diversos shows e palestras para a divulgação do trabalho da pesquisadora. Continuar lendo

Dica de música – La Romniasa me te lav

ciganaO cigano húngaro Gusztáv Varga carregou um sonho por mais de três décadas: escrever e cantar músicas em sua língua-materna, o romani, idioma falando pela maioria dos ciganos do Leste Europeu. Isso foi possível em 1978 com a criação de sua banda Kalyi Jag (que significa “Fogo Negro” em romani). O primeiro disco foi lançado em 1987 e logo a banda se tornou um sucesso e referência sobre a cultura cigana húngara. [Para saber mais sobre os ciganos da Hungria, veja nosso texto antigo: E nem tudo é festa – os ciganos da Hungria 😉 ] Continuar lendo

Dançando Luar na Lubre

Olá, pessoal!

O post de hoje na verdade era apenas para mostrar um dos meus vídeos de dança rs. Fiz essa apresentação no ano passado, em uma festa na escola onde dou aulas às terças-feiras. Ficam ai as imagens pra quem quer saber como é o espaço 😉

cigana (54)A música é de uma banda que adoro, Luar na Lubre. O grupo é da Galícia, na Espanha, e eles tocam um “galego folk contemporâneo”. Não é cigano, mas é um ritmo delicioso para quem quer desenvolver as danças mais calmas, suaves e delicadas. Continuar lendo

Dica de música: Rumba Portuguesa

Não há registros precisos de quando os ciganos chegaram em Portugal. Embora documentos falem sobre a presença do povo nômade em 1510, é provável que estivessem ali há mais tempo, pois em 1493 os ciganos já habitavam Madri, na Espanha. 

Geralmente andavam em grandes grupos, de 80 a 150 pessoas, lideradas por um homem. Para garantir a autorização de sua entrada em um vilarejo, diziam que eram cristãos peregrinos à procura da proteção de um nobre. Aceitos, logo causavam grande fascinação e medo na população devido às suas roupas e costumes diferentes, cores e perfumes. Viviam de apresentações de espetáculos circenses, de dança e de adivinhações do futuro. Com isso, passavam a ser associados às práticas pagãs que ainda eram proibidas especialmente na Península Ibérica católica, fortemente marcada pela Inquisição. Continuar lendo

Dica de música: Torito

Olá, pessoal!

Gostaria muitíssimo de fazer um texto mais completo a respeito dessa música, mas ela continua um mistério para mim… Então por enquanto ela vai ser apenas um vídeo onde eu danço com algumas dicas para que tudo seja desvendado rs.

to

Touros são amigos rs

Das poucas coisas que descobri a respeito, sei que ela tem influência espanhola, colombiana e cubana. Continuar lendo

Dicas de música: Bamboleo – Gipsy Kings

cigana-1-1Gipsy Kings é uma banda francesa criada na década de 1970, que se tornou famosa pelas gravações de músicas com influências do flamenco, da salsa, do pop, e principalmente da cultura cigana, como a rumba catalana. Apesar de os músicos serem franceses, a maioria dos pais dos componentes da banda era de origem cigana da Espanha, fugidos da guerra civil espanhola de 1930, o que explica a forte ligação da banda com a cultura dos ciganos Calons. Continuar lendo

Dica de música: El dia que me quieras

casalDescendente de ciganos de Andaluzia, no sul da Espanha, o cantor, guitarrista, compositor e jornalista Alexandre Flores tem se dedicado a diversos estilos musicais, como Blues, Rock, além de ritmos latinos e ciganos. Para a trilha sonora da novela Explode Coração, de 1995, trabalhou como diretor musical, arranjador, cantor e violonista do grupo Rorarni, com o qual gravou seis faixas do álbum Coração Cigano. O disco foi um sucesso, vendendo mais de 750 mil cópias, o que tornou conhecidos alguns ritmos ciganos. Em 1999, Flores gravou o CD Alma Cigana, que inclui outros de seus sucessos, com releituras em estilo cigano de algumas músicas populares, como Zingara (gravada pela primeira vez pelo italiano Bobby Solo, em 1969), e El dia que me quieras (do uruguaio ou francês Carlos Gardel, em 1934). Continuar lendo

Dica de música: El muerto vivo

Após quase dez anos longe da música para dedicar-se à Igreja Evangélica de Filadélfia, por fim em 1991 Peret voltou a gravar e retornou aos palcos. Talvez pela idade ou pelos anos distante de sua arte, o disco estava ainda tímido. Mas foi por pouco tempo. Aquele que era para ser um álbum de despedida de carreira tornou-se o oposto. Peret tomou gosto novamente pela Rumba Catalana e fez novas canções e novos shows, ajudando a renovar o estilo musical que criou. Inseriu mais elementos cubanos, como os metais, incluiu outras sonoridades e fez novas parcerias, como com a cantora Marina, da banda contemporânea Ojos de brujo Continuar lendo